Arquivo do mês: agosto 2009

Mudança de calendário do futebol brasileiro – uma entrevista

Já publiquei neste blog diversos textos sobre o calendário brasileiro, inclusive com links para diversos outros sites e blogs, além de artigos de autoria de Luis Felipe Chateaubriand, recebidos através de e-mail.

Pois bem, o Luis Felipe escreveu um livro (estou quase no final) sobre o tema e foi entrevistado pelo Juca Kfouri e pelo Wanderlei Nogueira.

Agora sua entrevista à rádio Jovem Pan foi disponibilizada em vídeo.

Aproveitem:

http://mais.uol.com.br/view/314008Outras

Outros artigos do Luis Felipe sobre calendário:

Construindo um calendário racional para o futebol brasileiro

Adaptando o calendário do futebol brasileiro ao calendário mundial 

Ainda a adaptação do calendário brasileiro de futebol ao calendário mundial… 

Outros argumentos para a adaptação do calendário brasileiro ao calendário do futebol mundial 
 

Outras postagens sobre o assunto:

https://sinosdobram.wordpress.com/2009/08/13/ainda-o-calendario-do-futebol/

https://sinosdobram.wordpress.com/2009/08/06/drops-calendario-do-futebol-brasileiro/

https://sinosdobram.wordpress.com/2009/07/25/revoada-e-descompaso/

https://sinosdobram.wordpress.com/2009/07/20/futebol-globalizado-aqui-nao/

O amor é verde

Palmeiras acerta retorno do atacante Vagner Love
Agência Palmeiras
Jairo Giovenardi
28/08/2009 10h32
O atacante Vagner Love, de 25 anos, é o novo reforço do Palmeiras.

Vagner chega por empréstimo até o fim do mês de julho de 2010 e nenhum atleta do atual elenco palmeirense foi envolvido na negociação.

2612622
Essa informação foi confirmada pelo vice-presidente do Palmeiras, Gilberto Cipullo, em entrevista exclusiva concedida ao site oficial.

O jogador, revelado nas categorias de base do clube, retorna ao futebol brasileiro depois de cinco anos no CSKA, da Rússia.

Pelo Palmeiras, Vagner foi campeão brasileiro da série-B, em 2003, conquista que recolocou o time alviverde na elite do futebol nacional. Naquele ano, ele foi artilheiro da competição, com 19 gols e ajudou a equipe a alcançar a marca dos 80 no campeonato [melhor ataque do Brasileiro-2003].

Em 2004, Vagner foi artilheiro do Campeonato Paulista, com 12 gols marcados.

O atacante já fez 66 jogos com a camisa alviverde e marcou 49 gols, entre os anos de 2002 e 2004.

Fonte: site do Palmeiras.

Nietzsche para fedelhos

Essa eu roubei do blog da Vanessa, A Barata.


 

 A do Dumbo e do Nietzsche pra fedelhos…é de matar!

Encontrei-as aqui.

Arte do jornalista Alvaro Borba – Mais dele aqui.”

Ao ler as tiras do Nietzche para fedelhos, me lembrei de outro lance sério/cômico que descobri na faculdade com a professora de estudos culturais (marxista até a medula): o Dialectics for kids.

Fala a verdade, idealismo alemão nunca foi tão fácil, não?

 

Um poema às quartas

edgar-poe

The Raven

 Once upon a midnight dreary, while I pondered, weak and weary,
Over many a quaint and curious volume of forgotten lore,
While I nodded, nearly napping, suddenly there came a tapping,
As of some one gently rapping, rapping at my chamber door.
“‘Tis some visitor,” I muttered, “tapping at my chamber door-
                Only this, and nothing more.”

Ah, distinctly I remember it was in the bleak December,
And each separate dying ember wrought its ghost upon the floor.
Eagerly I wished the morrow;- vainly I had sought to borrow
From my books surcease of sorrow- sorrow for the lost Lenore-
For the rare and radiant maiden whom the angels name Lenore-
                Nameless here for evermore.

And the silken sad uncertain rustling of each purple curtain
Thrilled me- filled me with fantastic terrors never felt before;
So that now, to still the beating of my heart, I stood repeating,
“‘Tis some visitor entreating entrance at my chamber door-
Some late visitor entreating entrance at my chamber door;-
                This it is, and nothing more.”

Presently my soul grew stronger; hesitating then no longer,
“Sir,” said I, “or Madam, truly your forgiveness I implore;
But the fact is I was napping, and so gently you came rapping,
And so faintly you came tapping, tapping at my chamber door,
That I scarce was sure I heard you”- here I opened wide the door;-
                Darkness there, and nothing more.

Deep into that darkness peering, long I stood there wondering, fearing,
Doubting, dreaming dreams no mortals ever dared to dream before;
But the silence was unbroken, and the stillness gave no token,
And the only word there spoken was the whispered word, “Lenore!”
This I whispered, and an echo murmured back the word, “Lenore!”-
                Merely this, and nothing more.
 
Back into the chamber turning, all my soul within me burning,
Soon again I heard a tapping somewhat louder than before.
“Surely,” said I, “surely that is something at my window lattice:
Let me see, then, what thereat is, and this mystery explore-
Let my heart be still a moment and this mystery explore;-
                ‘Tis the wind and nothing more.”

Open here I flung the shutter, when, with many a flirt and flutter,
In there stepped a stately raven of the saintly days of yore;
Not the least obeisance made he; not a minute stopped or stayed he;
But, with mien of lord or lady, perched above my chamber door-
Perched upon a bust of Pallas just above my chamber door-
                Perched, and sat, and nothing more.

Then this ebony bird beguiling my sad fancy into smiling,
By the grave and stern decorum of the countenance it wore.
“Though thy crest be shorn and shaven, thou,” I said, “art sure no craven,
Ghastly grim and ancient raven wandering from the Nightly shore-
Tell me what thy lordly name is on the Night’s Plutonian shore!”
                Quoth the Raven, “Nevermore.”

Much I marvelled this ungainly fowl to hear discourse so plainly,
Though its answer little meaning- little relevancy bore;
For we cannot help agreeing that no living human being
Ever yet was blest with seeing bird above his chamber door-
Bird or beast upon the sculptured bust above his chamber door,
                With such name as “Nevermore.”

But the raven, sitting lonely on the placid bust, spoke only
That one word, as if his soul in that one word he did outpour.
Nothing further then he uttered- not a feather then he fluttered-
Till I scarcely more than muttered, “other friends have flown before-
On the morrow he will leave me, as my hopes have flown before.”
               Then the bird said, “Nevermore.”
 
Startled at the stillness broken by reply so aptly spoken,
“Doubtless,” said I, “what it utters is its only stock and store,
Caught from some unhappy master whom unmerciful Disaster
Followed fast and followed faster till his songs one burden bore-
Till the dirges of his Hope that melancholy burden bore
              Of ‘Never- nevermore’.”

But the Raven still beguiling all my fancy into smiling,
Straight I wheeled a cushioned seat in front of bird, and bust and door;
Then upon the velvet sinking, I betook myself to linking
Fancy unto fancy, thinking what this ominous bird of yore-
What this grim, ungainly, ghastly, gaunt and ominous bird of yore
                Meant in croaking “Nevermore.”

This I sat engaged in guessing, but no syllable expressing
To the fowl whose fiery eyes now burned into my bosom’s core;
This and more I sat divining, with my head at ease reclining
On the cushion’s velvet lining that the lamplight gloated o’er,
But whose velvet violet lining with the lamplight gloating o’er,
                She shall press, ah, nevermore!

Then methought the air grew denser, perfumed from an unseen censer
Swung by Seraphim whose footfalls tinkled on the tufted floor.
“Wretch,” I cried, “thy God hath lent thee- by these angels he hath sent thee
Respite- respite and nepenthe, from thy memories of Lenore!
Quaff, oh quaff this kind nepenthe and forget this lost Lenore!”
                Quoth the Raven, “Nevermore.”

“Prophet!” said I, “thing of evil!- prophet still, if bird or devil!-
Whether Tempter sent, or whether tempest tossed thee here ashore,
Desolate yet all undaunted, on this desert land enchanted-
On this home by horror haunted- tell me truly, I implore-
Is there- is there balm in Gilead?- tell me- tell me, I implore!”
                Quoth the Raven, “Nevermore.”

“Prophet!” said I, “thing of evil- prophet still, if bird or devil!
By that Heaven that bends above us- by that God we both adore-
Tell this soul with sorrow laden if, within the distant Aidenn,
It shall clasp a sainted maiden whom the angels name Lenore-
Clasp a rare and radiant maiden whom the angels name Lenore.”
                Quoth the Raven, “Nevermore.”

“Be that word our sign in parting, bird or fiend,” I shrieked, upstarting-
“Get thee back into the tempest and the Night’s Plutonian shore!
Leave no black plume as a token of that lie thy soul hath spoken!
Leave my loneliness unbroken!- quit the bust above my door!
Take thy beak from out my heart, and take thy form from off my door!”
               Quoth the Raven, “Nevermore.”

And the Raven, never flitting, still is sitting, still is sitting
On the pallid bust of Pallas just above my chamber door;
And his eyes have all the seeming of a demon’s that is dreaming,
And the lamplight o’er him streaming throws his shadow on the floor;
And my soul from out that shadow that lies floating on the floor
                Shall be lifted- nevermore!

O CORVO

 

Numa meia-noite agreste, quando eu lia, lento e triste,
Vagos, curiosos tomos de ciências ancestrais,
E já quase adormecia, ouvi o que parecia
O som de alguém que batia levemente a meus umbrais
«Uma visita», eu me disse, «está batendo a meus umbrais.
            É só isso e nada mais.»
 
Ah, que bem disso me lembro! Era no frio dezembro,
E o fogo, morrendo negro, urdia sombras desiguais.
Como eu qu’ria a madrugada, toda a noite aos livros dada
P’ra esquecer (em vão) a amada, hoje entre hostes celestiais —
Essa cujo nome sabem as hostes celestiais,
            Mas sem nome aqui jamais!

 

Como, a tremer frio e frouxo, cada reposteiro roxo
Me incutia, urdia estranhos terrores nunca antes tais!
Mas, a mim mesmo infundindo força, eu ia repetindo,
«É uma visita pedindo entrada aqui em meus umbrais;
Uma visita tardia pede entrada em meus umbrais.
            É só isso e nada mais».

 

E, mais forte num instante, já nem tardo ou hesitante,
«Senhor», eu disse, «ou senhora, decerto me desculpais;
Mas eu ia adormecendo, quando viestes batendo,
Tão levemente batendo, batendo por meus umbrais,
Que mal ouvi…» E abri largos, franquendo-os, meus umbrais.
            Noite, noite e nada mais.

 

A treva enorme fitando, fiquei perdido receando,
Dúbio e tais sonhos sonhando que os ninguém sonhou iguais.
Mas a noite era infinita, a paz profunda e maldita,
E a única palavra dita foi um nome cheio de ais —
Eu o disse, o nome dela, e o eco disse aos meus ais.
            Isto só e nada mais.

 

Para dentro estão volvendo, toda a alma em mim ardendo,
Não tardou que ouvisse novo som batendo mais e mais.
«Por certo», disse eu, «aquela bulha é na minha janela.
Vamos ver o que está nela, e o que são estes sinais.»
Meu coração se distraía pesquisando estes sinais.
            «É o vento, e nada mais.»

 

Abri então a vidraça, e eis que, com muita negaça,
Entrou grave e nobre um corvo dos bons tempos ancestrais.
Não fez nenhum cumprimento, não parou nem um momento,
Mas com ar solene e lento pousou sobre meus umbrais,
Num alvo busto de Atena que há por sobre meus umbrais.
            Foi, pousou, e nada mais.

 

E esta ave estranha e escura fez sorrir minha amargura
Com o solene decoro de seus ares rituais.
«Tens o aspecto tosquiado», disse eu, «mas de nobre e ousado,
Ó velho corvo emigrado lá das trevas infernais!
Dize-me qual o teu nome lá nas trevas infernais.»
            Disse-me o corvo, «Nunca mais».

 

Pasmei de ouvir este raro pássaro falar tão claro,
Inda que pouco sentido tivessem palavras tais.
Mas deve ser concedido que ninguém terá havido
Que uma ave tenha tido pousada nos seus umbrais,
Ave ou bicho sobre o busto que há por sobre seus umbrais,
            Com o nome «Nunca mais».

 

Mas o corvo, sobre o busto, nada mais dissera, augusto,
Que essa frase, qual se nela a alma lhe ficasse em ais.
Nem mais voz nem movimento fez, e eu, em meu pensamento
Perdido, murmurei lento, «Amigo, sonhos — mortais
Todos — todos lá se foram. Amanhã também te vais».
            Disse o corvo, «Nunca mais».

 

A alma súbito movida por frase tão bem cabida,
«Por certo», disse eu, «são estas vozes usuais.
Aprendeu-as de algum dono, que a desgraça e o abandono
Seguiram até que o entono da alma se quebrou em ais,
E o bordão de desesp’rança de seu canto cheio de ais
            Era este «Nunca mais».

 

Mas, fazendo inda a ave escura sorrir a minha amargura,
Sentei-me defronte dela, do alvo busto e meus umbrais;
E, enterrado na cadeira, pensei de muita maneira
Que qu’ria esta ave agoureira dos maus tempos ancestrais,
Esta ave negra e agoureira dos maus tempos ancestrais,
            Com aquele «Nunca mais».

 

Comigo isto discorrendo, mas nem sílaba dizendo
À ave que na minha alma cravava os olhos fatais,
Isto e mais ia cismando, a cabeça reclinando
No veludo onde a luz punha vagas sombras desiguais,
Naquele veludo onde ela, entre as sombras desiguais,
            Reclinar-se-á nunca mais!

 

Fez-me então o ar mais denso, como cheio dum incenso
Que anjos dessem, cujos leves passos soam musicais.
«Maldito!», a mim disse, «deu-te Deus, por anjos concedeu-te
O esquecimento; valeu-te. Toma-o, esquece, com teus ais,
O nome da que não esqueces, e que faz esses teus ais!»
            Disse o corvo, «Nunca mais».

 

«Profeta», disse eu, «profeta — ou demónio ou ave preta!
Pelo Deus ante quem ambos somos fracos e mortais,
Dize a esta alma entristecida se no Éden de outra vida
Verá essa hoje perdida entre hostes celestiais,
Essa cujo nome sabem as hostes celestiais!»
            Disse o corvo, «Nunca mais».

 

«Que esse grito nos aparte, ave ou diabo!, eu disse. «Parte!
Torna à noite e à tempestade! Torna às trevas infernais!
Não deixes pena que ateste a mentira que disseste!
Minha solidão me reste! Tira-te de meus umbrais!»
            Disse o corvo, «Nunca mais».

 

E o corvo, na noite infinda, está ainda, está ainda
No alvo busto de Atena que há por sobre os meus umbrais.
Seu olhar tem a medonha dor de um demónio que sonha,
E a luz lança-lhe a tristonha sombra no chão mais e mais,
E a minh’alma dessa sombra, que no chão há mais e mais,
            Libertar-se-á… nunca mais!

 

(tradução de Fernando Pessoa)

Eu tenho, você não tem

De acordo com alguns economistas, uma das características da globalização é a tendência de concentração de riquezas ainda maior. O mundo globalizado terá cada vez menos e maiores empresas. Veja o nome dos mega-laboratórios farmaceuticos. As corporações são formadas pela fusão de várias e várias empresas de diversos países, buscando aumentar seu cacife para competir no mercado global. A agora ABInBev, ultra-hiper-mega cervejaria formada por Anheuser Bush (Budweiser), Interbrew (maior cervejaria da Bélgica) e AmBev (essa já uma megaempresa formada pela fusão de Antárctica, Brahma e Skol) domina uma fatia enorme do mercado cervejeiro do mundo e conta com um portfólio de mais de cem marcas diferentes atuando no mundo todo.

No mundo do futebol a tendência não poderia ser diferente. Porém, ao contrário do mundo empresaria, no futebol não existem fusões ou conquista de consumidores de marcas concorrentes. Afinal de contas, dificilmente um torcedor do Atlético MG se tornaria cruzeirense apenas pelo fato da raposa estar oferecendo um produto melhor (ou seja, obtendo melhores resultados). Por outro lado, além da conquista de “novos mercados” em países “periféricos” na geopolítica da bola (Ásia, África, Austrália, América do Norte), do qual nossos clubes brasileiros se encontram alijados (como expliquei aqui) existe outra imensa fonte de renda que está se concentrando nas mãos de cada vez menos clubes: os patrocínios e premiações por competições.

fc895cb33afa8b297112ba4cb112f568

De acordo com notícia publicada no site da revista Trivela, a premiação a ser distribuída aos participantes da Uefa Champions League nesta temporada será 33% maior que na temporada anterior. É um valor monstruoso, que tem causado uma distorção esportiva séria nos campos da Europa.

Por exemplo, na França, o Lyon dominou completamente o campeonato por oito temporadas, turbinado pela grana faturada na UCL. É um círculo vicioso. O clube participa da UCL, enche os cofres, fortalece ainda mais seu elenco, com isso consolida sua hegemonia nacional e contiunua a participar da UCL. Daí enche os cofres, fortalece ainda mais seu elenco…

De acordo com o Deloitte Football Money League, publicado no site português Futebol Finance, o clube inglês que mais fatura, o Manchester United, arrecada mais que o dobro que o quinto clube inglês, o Tottenham Hotspur (325 mi de Euros contra 145), enquanto no Brasil, de acordo com a Casual Auditores, também publicado no Futebol Finance, a diferença entre o clube que mais fatura e o quinto neste ranking é de 27% (R$ 160,5 mi pra São Paulo contra R$ 117,9 mi pra Corinthians). E o abismo é ainda maior na Espanha, onde há uma oligarquia formada por Real Madrid e Barcelona e mais nenhum clube tem condições de postular ao título.

Platini e a FIFA tentam quebrar essa dominância, quer através de regras barrando a transferência indiscriminada de jogadores estrangeiros (o famigerado 6+5), ou tentando flexibilizar o clubinho fechado da UCL. Porém enquanto não diminuir drasticamente a diferença paga por UCL e Liga Europa (reformulada para tentar quebrar o estereótipo de “competição de segunda classe), os clubes que formavam o antigo G-14 continuarão a fazer parte de uma casta separada. No futebol europeu há os haves e os have nots.

A igreja

Recebido por e-mail do meu amigo Guilherme Basílio:

“No princípio, a igreja era um grupo de homens centrados no Cristo vivo.

“Então, a igreja chegou à Grécia e tornou-se numa filosofia.

“Depois, chegou à Roma e tornou-se uma instituição.

“Em seguida, à Europa e tornou-se uma cultura.

“Finalmente, chegou à América e tornou-se um negócio.”

Richard Halverson

Polaroids européias

Sou uma pessoa que vai muito pouco, pouquíssimo no cinema. Muito menos do que gostaria.

Então eu estou sempre atrasado no papo cinematográfico.

Nas últimas semanas, coincidentemente, assisti a diversos filmes que tinham a Europa em seu escopo, principalmente França e Espanha. Vi alguns, outros revi e um deles (aleluia!) vi no cinema. Vamos a eles:

le_fabuleux_destin_d_amelie_poulain_frontO Fabuloso Destino de Amélie Poulain. A Poliana francesa. O toque surreal do enredo e do final até que torna mais leve a sensação de mal-estar, de desajuste, de desenraização. E, claro, aquele final feliz não engana a ninguém. A solidão parece ser uma marca francesa mesmo.

irreversible_ver2Irreversível. O mal-estar elevado à enésima potência. Quem não saiu do cinema (ou deu “stop” no dvd player) na cena inicial, o fez na cena do túnel. A montagem em sentido cronológico inverso enfatiza o título do filme, que indica a inexorabilidade da dissolução, migrando do idílico ao trágico. A fragilidade das relações a despeito da vida sendo vivida a toda velocidade. Ressentimento de classe nada sutilmente posto em cena. 

paris-cedric-klapisch-albert-dupontel-juliette-binoche-romain-duris-fabrice-luchini_300Paris. Melancólico. Superficialmente bela, a cidade de Paris abriga pessoas que não conseguem criar laços, não conseguem se relacionarem umas com as outras. A solidão parece ser um estado ao qual as pessoas estão condenadas, assim como à liberdade, segundo Sartre.

vicky_cristina_barcelona1Vicky Cristina Barcelona. Um olhar americano, de Woody Allen, sobre a pulsante e erótica metrópole catalã. Chapa branca? Sim, um pouco. Javier Barden encarna um estereótipo do europeu no imaginário norte-americano. Sedutor, artístico, misterioso. Porém a cena final, com Vicky e Cristina retornando a Nova Iorque com o fracasso e a desesperança estampados em seus rostos é histórica.

Carne_tremulaCarne Trêmula. Um antigo de Almodóvar, também com Barden e Penélope Cruz no elenco, em uma curtíssima mas marcante participação. Almodóvar começa a segurar as tintas, até então carregadas, em sua escrachada ironia à sociedade patriarcal, o que a torna ainda mais contundente, pois sequer dá ao espectador a prerrogativa do alívio cômico característico de sua fase anterior. Seu estilo seria elevado ao estado-de-arte nos dois filmes posteriores, Tudo sobre sua mãe e principalmente em Fale com ela. O final melodramático e “feliz” quebra totalmente a curva do filme, introduzindo o elemento “palatável” ao grande público, solapando o efeito trágico que o filme constrói.

piaf-posterPiaf. Lindíssima cinebiografia de Edith Piaf. Marion Cotillard está em atuação maravilhosa. Houve uma certa comparação com outra biografia nas telas lançada recentemente, Maysa, mas embora ambas as cantoras sejam fantásticas, a comparação é cruel com a atriz brasileira. Maysa parecia caricatural e monofacetada. Cotillard conseguiu mostrar a complexidade de Piaf em cenas ternas, desesperadas, desesperançadas e serenas que nem de longe sua colega brasileira conseguiria. E a trilha sonora (semelhantemente à produção nacional) é sensacional.

2jc7savEu, meu irmão e nossa namorada. Assim como Vicky Cristina Barcelona, é americano. Mas tem ao menos Juliette Binoche no elenco. E, cá pra nós, uma Juliette Binoche vale mais que umas duas centenas de Meg Ryans. O talento da francesa e de Steve Carrell fazem dessa comediazinha dispensável um programa bastante agradável. A trilha sonora de Sondre Lerche é muito boa, com destaque para a canção Hell, no!, com Regina Spektor.

Enfim. Um breve passeio pelo velho continente, rápido e superficial como um pacote da CVC.