Mitologia Georgelucana

Eu fui desafiado pelo Igor Otávio, colega comentarista do blog Trivela, blogueiro e absolutamente xarope, a tecer algumas linhas sobre “O Poderoso Chefão” ou “Star Wars“, dois ícones da cultura pop ocidental das últimas décadas do século XX e início do século XXI.

Pois bem, não é com pouca vergonha que tive de admitir não ter assistido a saga dos Corleones, uma das maiores obras-primas cinematográficas já feitas. Mas não preciso repetir a história sobre quão poucos filmes eu assisto, blá, blá, blá… Pelo menos em matéria de obra-prima já tive meu quinhão de “Cidadão Kane“, esse sim um marco.

Mas “Star Wars” não. Essa hexalogia (is there such word?) já faz parte do meu cabedal de inutilidades nerds, culturalmente irrelevantes e de questionável qualidade. Mas… como é legal!

starwars

Não  vou perder meu (e teu) tempo falando de enredo, de efeitos visuais, de uma série de assuntos que já foram devidamente explorados por muita gente muito mais brilhante (e tecnicamente capacitada) que eu.

Mas aspectos também interessantes mas de certa forma ocultados já foram também brilhantemente explorados. Por exemplo, a construção de uma mitologia durante a saga de “Star Wars”.

Na Superinteressante já foi publicada uma reportagem que desvela as associações entre os personagens de “Star Wars” e os personagens da mitologia clássica. Sim. “Star Wars” é uma deliberada tentativa de se construir uma mitologia, assim como a saga Tolkeniana do “Senhor dos Anéis” o é, como a saga Lewisiana de “Nárnia” o é. Como as complicadíssimas histórias de super-heróis da Marvel e da DC Comics o são. Até aqui, nenhuma novidade.

Para quem quiser conferir, eis parte da matéria:

Guerra nas Estrelas , a maior de todas as sagas
Quais são os símbolos e mitos que compõem as aventuras criadas por George Lucas.
por Leandro Sarmatz / Luiz Iria

Entenda como a série Guerra nas Estrelas transformou-se em objeto de adoração mística de milhões em todo o mundo. Quais são os símbolos e mitos que compõem as aventuras criadas por George Lucas? Com você, os bastidores daquela que pode ser a primeira religião surgida na era do entretenimento

“Se há apenas um Deus, por que há tantas religiões?”, perguntou o menino de apenas 10 anos à mãe. Não se sabe a resposta que a senhora Lucas deu ao curioso filho. A do moleque todos nós sabemos. George Lucas criou sua própria religião.

Desde 1977, quando Guerra nas Estrelas ganhou as telas de cinema do planeta, legiões de fãs de todas as idades e credos são continuamente mesmerizadas a cada novo episódio – o mais recente deles, O Ataque dos Clones, já pode ser conferido em todo o Brasil – pelas aventuras intergalácticas de Luke Skywalker contra o tenebroso Darth Vader. Uma odisséia permeada de elementos caros ao imaginário pop: histórias em quadrinhos, faroestes e ficção científica a granel.

Mas os fãs também arregalam os olhos para um detalhe: mais do que qualquer outro artefato da indústria do entretenimento, a saga do diretor e produtor George Lucas parece recheada com o material de que são feitos os mitos: o eterno embate entre o Bem e o Mal, a iniciação do herói, a busca por um sentido universal. Tudo isso, é claro, hollywoodianamente empacotado com os últimos avanços em efeitos especiais e editado na medida para tirar o fôlego da audiência. Continua aqui.

Também não entrando no mérito da qualidade (seria simplesmente inaceitável cotejar Homero, Sófocles e Aristófanes com esses exemplos de businessmen que são Tolken e Lucas), deve ser considerado um fator que às vezes escapa da compreensão do fã mais voraz de “Star Wars”: a função do mito.

Qual a função de uma mitologia, quer seja ela grega, nórdica, bíblica, tolkeniana ou starwariana? Apenas uma: transmitir e valorizar os aspectos conservadores da sociedade. As crenças e culturas que servem como cimento social, que amainam as possíveis inquietações que suscitariam a insatisfação de classe. A ideologia dominante que naturaliza os aspectos da superestrutura da sociedade. Portanto, no caso de “Senhor dos Anéis”, “Crônicas de Nárnia” e “Star Wars”, as mitologias servem para perpetuar e naturalizar os valores do cristianismo.

Em “Nárnia” e “Senhor dos Anéis” essa intenção é clara e explícita, até pela militância religiosa de Lewis (anglicano) e Tolken (católico romano). Mas “Star Wars”, mesmo sem a expressa e intencional vontade de George Lucas se presta ao mesmo papel. Não apenas por colocar em palco a “eterna batalha entre o bem e o mal” (que chavão mais insuportável), mas por colocar essa batalha em termos éticos, espirituais e transcedentais, não em termos políticos e ideológicos.

A esperança messiânica de “Star Wars” é tão evidente que até a concepção virginal existiu. Embora o messias prometido, no caso Anakin Skywalker, tenha cometido o pecado original (passou pro lado negro da força), a redenção lhe foi possibilitada através do sacrifício do filho (Luke Skywalker). Os lados escuro e claro da força são a representação das forças divinas e satânicas segundo a teologia católica medieval, que colocava Deus e Satanás como forças antagônicas e equivalentes que disputavam a alma dos mortais na terra. Bem diferente da concepção protestante de soberania divina, elaborada por Lutero e desenvolvida por Calvino (essa concepção de forças equivalentes foi retomada no protestantismo através do pentecostalismo – ironicamente mais próximo do catolicismo romano do que os pentecostais gostariam de admitir). E o imperador Palpatine, com sua lábia e sua sedutora oferta de poder, é a mais bem acabada representação de Satanás na cinegrafia recente.

Religião católica para uma sociedade secular. Por mais que nossos jovens livres-pensadores queiram proclamar sua emancipação em relação aos valores morais cristãos, não conseguem.

Anúncios

8 Respostas para “Mitologia Georgelucana

  1. Bom, como de hábito, post. Em Star Wars, fiquei apenas na primeira trilogia. Gostei mais de O Império Contra-ataca.

    Essas alusões são invevitáveis. Os filmes são feitos para faturar horrores no mundo todo, daí o apelo para estereótipos, valores e imagens inconscientes. Dá algum verniz intelectual, que, em conjunto com o domínio absoluto da linguagem e tecnologia cinematográficas, faz resultar num ótimo produto.

    Quanto ao Poderoso Chefão, esse está no topo das minhas preferências de cinema.

  2. heheheh Boa Fabião!!!

    Mas aí, eu vim aqui na terça-feira, e não vi nada não.. aí, agendei pra voltar só na semana que vem! mas em todo caso, valeu!!!

    Pô cara, não te falei? Acho que ficou muito foda sua “explanação”! Concordo bastante com o teor do seu texto… Star Wars é um ícone! Os efeitos especiais são fantásticos mesmo, mas o mais impressionante é a “história” de fundo, riquíssima de conflitos principalmente internos do homem.

    Ah, e obrigado pela homenagem no início do texto! (fiquei até com vergonha daqui na frente do computador! hehehe)

    Ah, e aquele bonitão lá, sou eu mesmo, com aquela camisa lindona!!!
    Rapaz, vou te falar a verdade, como vocês estão tremendo ultimamente, ein! tomar duas tundas do Santo André? vocês tem que parar de ficar olhando pro retrovisor, se não vai ser pior… o problema é aquela imagem crescente vermelha e preta né?
    rsrsrss

    Valeu FabioM!

  3. correção: eu tava olhando direitinho aqui, eu não vim aqui na terça dessa semana não… foi na semana passada! hehehe

  4. Fabio Martelozzo Mendes

    Tremendo? O Palmeiras está entregando o campeonato de bandeja pra quem quiser pegar. Nunca vi tanta inépcia junta num time só…

  5. A inépcia é maior nos outros três.

  6. Fabio Martelozzo Mendes

    Não deixa de ser verdade, Anrafel.

    Aliás, o Eduardo Mion, colega blogueiro e de futebol (bissexto) escreveu um post interessante no blog dele.

    Matematicamente é possível que o Palmeiras seja campeão sem marcar mais nenhum gol:
    http://ondenaonascegrama.blogspot.com/2009/10/palmeiras-jaiminho.html

  7. Pingback: Literatura ruim é melhor que literatura nenhuma? « Por quem os sinos dobram-blog de Fabio M

  8. Pingback: Retrospectiva 2009 – Filmes « Por quem os sinos dobram-blog de Fabio M

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s