Seu primeiro baile

“Her first ball” é um conto escrito pela neozelandesa Katherine Mansfield, importante escritora do início do século XX e influência de Virginia Woolf e do modernismo inglês. katherine_mansfield-788298

HER FIRST BALL

EXACTLY when the ball began Leila would have found it hard to say. Perhaps her first real partner was the cab. It did not matter that she shared the cab with the Sheridan girls and their brother. She sat back in her own little corner of it, and the bolster on which her hand rested felt like the sleeve of an unknown young man’s dress suit; and away they bowled, past waltzing lamp-posts and houses and fences and trees.

“Have you really never been to a ball before, Leila? But, my child, how too weird–” cried the Sheridan girls.

“Our nearest neighbour was fifteen miles,” said Leila softly, gently opening and shutting her fan.

Oh dear, how hard it was to be indifferent like the others! She tried not to smile too much; she tried not to care. But every single thing was so new and exciting . . . Meg’s tuberoses, Jose’s long loop of amber, Laura’s little dark head, pushing above her white fur like a flower through snow. She would remember for ever. It even gave her a pang to see her cousin Laurie throw away the wisps of tissue paper he pulled from the fastenings of his new gloves. She would like to have kept those wisps as a keepsake, as a remembrance. Laurie leaned forward and put his hand on Laura’s knee. (continua aqui)

Uma das disciplinas que tive neste ano na faculdade de letras foi “Prática de Tradução”, onde como trabalho final tivemos de traduzir o conto da Mansfield, em grupo (????). Traduções em grupo são sempre problemáticas. Uma das formas preferidas das pessoas fazerem isso é picotar o texto em várias partes, cada um traduz sua parte e depois costuram de volta o Frankenstein. Horrível. Nosso grupo, formado por gente batuta (claro), decidiu pelo caminho mais longo. Cada um de nós fez sua própria tradução, levantou os problemas e dificuldades e por fim, cotejamos todas as traduções para formarmos uma única versão. Tivemos de escolher um texto-base e depois começamos a examinar o conto linha a linha, escolhendo as melhores construções sintáticas, o vocabulário mais adequado para o gênero, para a época, para os personagens, enfim. Discussões? Algumas. Difícil? Certamente. Mas foi muito interessante e até divertido.

O Seu Primeiro Baile

Exatamente quando o baile começava Leila teria achado difícil dizer. Talvez o seu primeiro parceiro de verdade fosse o automóvel. Não importava que ela o dividisse com as Sheridans e seu irmão. Sentou-se atrás no seu próprio cantinho, e o descanso almofadado sobre o qual a sua mão repousava dava-lhe a sensação da manga do paletó de um jovem desconhecido; e ambos giravam, valsando ao longo de postes de iluminação e casas e cercas e árvores.

— Você realmente nunca esteve num baile antes, Leila? Mas, menina, isso é muito estranho ? — estrilavam as Sheridans.

— O nosso vizinho mais perto ficava a 15 milhas — disse Leila suavemente, abrindo e fechando o seu leque com delicadeza.

Ah céus, como era difícil ser indiferente como os outros! Ela tentava não sorrir demais, tentava não se importar. Mas cada detalhe era tão novo e empolgante… As angélicas de Meg, a grande presilha âmbar de Jose, a cabecinha morena de Laura, brotando da sua estola branca como uma flor através da neve. Ela se lembraria para sempre. Até teve uma pontada ao ver seu primo Laurie jogar fora os filetes de papel que ele tirava das abotoadoras das suas luvas novas. Gostaria de ter guardado aqueles filetes como lembrança, como uma recordação. Laurie inclinou-se para frente e apoiou a uma mão no joelho de Laura. (continua aqui)

O trabalho foi feito a várias mãos, entre elas a minha, as do Ed Batista, Mariana Castelli, Carol Rodolpho, Marcos Hadid, Cassio Aurélio e Eliana Machado.

Anúncios

4 Respostas para “Seu primeiro baile

  1. Pingback: Retrospectiva 2009 – Livros « Por quem os sinos dobram-blog de Fabio M

  2. Pingback: Clipping – Editora processa blogueira: pode plagiar esta notícia « Por quem os sinos dobram-blog de Fabio M

  3. Poxa, muito obrigado pela tradução, realmente existe muito pouco traduzido de Katherine. E também parabenizo pela tradução colaborativa, uma otima iniciativa. Espero que possa haver outras. Abraços

  4. Fabio Martelozzo Mendes

    Obrigado, Severo.

    Infelizmente o grupo não voltou a se reuinir. A tradução deste conto foi nosso trabalho semestral para avaliação na disciplina de Práticas de Tradução.

    De qualquer forma, foi um trabalho prazeiroso e interessante.

    Abraços.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s