O Brasil não é um país racista

Poucas (pouquíssimas) coisas me tiram mais do sério que manifestações claras de racismo, ainda mais as travestidas de “justiça”. Não disse que poucas coisas me tiram do sério. Ao contrário, eu sou um estressadinho que perde a paciência por qualquer coisa. Mas pelo fato de colocar o racismo no topo da minha lista (me tira mais do sério que uma derrota do Palmeiras, como essa ridícula para o Vitória) mostra o quão deplorável é a questão. Ainda.

Como a Vênus Platinada, e seus bracinhos representados por Folha de São Paulo, Estadão, Veja, etc, consegue moldar a opinião pública com uma facilidade poucas vezes reproduzível no mundo atual, já houve a ridicularização e desqualificação da política de ações afirmativas no Brasil. Não adianta mais explicar que as ações afirmativas não são feitas para serem permanentes, nem explicar que historicamente o Estado já beneficiara outras categorias de pobres no passado (como a distribuição de terras para imigrantes europeus) e que os negros nunca tiveram qualquer possibilidade de inserção no mercado de trabalho ou mesmo de reparação histórica contra os abusos cometidos. Já era. A classe média conservadora (e branca, pois diferentemente do que existe nos EUA, a proporção de afrodescendentes na classe média é irrelevante no Brasil) já se convenceu da inconveniência das políticas de ações afirmativas, bem como das políticas de inserção social (esmolas eleitoreiras, segundo o senso comum).

Racismo Cordial

A Vênus luta para convencer (e até então consegue) a opinião pública da ilegalidade e imoralidade da concessão da propriedade de terra aos quilombolas (pessoas que tem residido naquelas regiões a séculos e que recentemente obtiveram a legalização dos territórios) mas não move um único editorial para mencionar a ilegalidade e imoralidade da ocupação de terras devolutas (do Estado – ou seja, de todos) por parte de fazendeiros (ou seja, posseiros), desqualifica a luta política por reconhecimento através da ridicularização e criminaliza a luta de diversos movimentos sociais e políticos. A propósito, alguém consegue me explicar qual a função da série Gente Lesa? Abordar o tema da sustentabilidade com bom humor – explicação oficial – ou simplesmente solapar a credibilidade do tema junto à classe média?.

Como me falta isenção emocional pra tratar desse tema, melhor recorrer a quem faz melhor. Neste aspecto há o Liberal, Libertário, Libertino, do Alex Castro que na série de posts sobre o racismo aborda as questões com argúcia e precisão: Liberal, Libertário, Libertino – série racismo.

Sobre a questão dos quilombolas, há a organização Koinonia, que é um órgão ecumênico e inter-religioso que assessora os movimentos civis e atualmente é presidido pelo grande amigo e pastor Paulo Ayres Mattos, bispo da Igreja Metodista: Koinonia – Presença Ecumênica e Serviço.

Não deixem de conferir esses dois links.

Anúncios

8 Respostas para “O Brasil não é um país racista

  1. Pingback: Portas automáticas « Por quem os sinos dobram-blog de Fabio M

  2. Pingback: Uma concisa história do racismo « Por quem os sinos dobram-blog de Fabio M

  3. EU ACHO VCS DEVIAM COLOCAR RESPOSTAS MAIS CLARA SOBRE Q O BRASIL Ñ É UM PAÍS RACISTA

    • Fabio Martelozzo Mendes

      Não colocamos respostas. Só perguntas. Eu te pergunto: O Brasil é um país racista?

      • O Brasil não é um país racista ele tem grupos isolados de pessoas que tem racismo. Ele não é racista, ele é um dos poucos países que permite a entrada de qualquer pessoa de outra nacionalidade entra dentro do país.
        Um argumento muito forte para dizer que o Brasil é um país racista é o sistema de cotas, que hoje em dia não se trata do afro descendente entrar na universidade mais sim o menos afortunado conseguir entra na universidade, não significa que o menos afortunado não tenha a capacidade do mais afortunado mais sim a falta de educação que é dada pelo governo.
        O racismo não se trata de preconceito de “negros” mas sim de diferentes etnias.

  4. Fabio Martelozzo Mendes

    Sei… sei…

    Compare o salário de um negro e um branco ocupando uma mesma função. Explique então, se não é por causa do racismo, porque o negro recebe menos.

    E por que o negro, ao ser alforriado, não recebeu nenhum acolhimento pelo estado, mas os imigrantes europeus sim?

  5. o brasil e sim um pais racis poque entre os brando e raro te um negro entao brasil deixa e ser otarios e vamos parar com issu vcs gostaria q tivesse um filho negro e fose na escola e sofresse bulling entao brasil vamos parar ne

  6. muito obrigado camila bjsss

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s