Um poema às quartas

cummings1

i thank You God for most this amazing
day: for the leaping greenly spirits of trees
and a blue true dream of sky; and for everything
which is natural which is infinite which is yes

(i who have died am alive again today,
and this is the sun’s birthday; this is the birth
day of life and of love and wings: and of the gay
great happening illimitably earth)

how should tasting touching hearing seeing
breathing any -lifted from the no
of all nothing – human merely being
doubt unimaginable You?

(now the ears of my ears awake and
now the eyes of my eyes are opened)


agradeço-te Deus por mais este espantoso
dia: pelos saltitantes esverdeados espíritos das árvores
e um azul verdade sonho de céu; e por tudo
que é natural, que é infinito, que é sim

(eu que morri estou hoje de novo vivo
e este é o dia de anos do sol; este é o nascente
dia da vida e do amor e das asas: e do alegre
grande acontecimento ilimitadamente terra)

como poderia saboreando tocando ouvindo lendo
respirando tudo – erguido do não
de todo o nada – humano meramente sendo,
duvidar inimaginável Tu?

(agora os ouvidos dos meus ouvidos despertam e
agora os olhos dos meus olhos estão abertos)

(tradução: blog http://asfolhasardem.wordpress.com/ )

Anúncios

4 Respostas para “Um poema às quartas

  1. Nosssa… já não sou muito chegado em poema.. com uma tradução dessa! afff…
    e olha que meu inglÊs é péssimo!
    Cara, acho qeu a tradução matou o poema.

    O original é bom… dá pra sentir o sentimento do poeta…
    mas tá valendo…

    (lembrei da newsleter d´A Varzea.. o tradutor Vanderlei.. rsrsrs)

  2. Fabio Martelozzo Mendes

    Verdade… verdade…

    Na verdade a poesia é pra ser apreciada na língua original. Ler tradução é um reflexo bem distorcido num espelho borrado. Eu posto a tradução aqui porque senão… já viu, seria pedante demais da minha parte.

    Mas dá pra captar, ainda que mal e porcamente, algo do que o autor queria. Dá um crédito pro coitado do tradutor.

    O tradutor mais destacado do e.e.cummings em português é o Augusto de Campos. Competir com o cara é uma covardia…

    • Fabio Martelozzo Mendes

      Farei um favor pra nós dois. Vou postar um poema do cummings traduzido pelo Augusto de Campos (é duro achar boas traduções na net, como as do Poe pelo Fernando Pessoa) que vai pirar teu cabeção.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s